sábado, 16 de janeiro de 2016

Usos e costumes em Belém no século XVII



"[...]. Quanto aos costumes, usos, estilos e festas populares, ... – conservavam os dos portugueses, seus antepassados.
As mulheres trajavam-se à moda europeia. Eram excelentes mães de família, não lhes sendo desconhecidos “o lavor de bordar, de coser, de bilrar rendas e de lavrar de agulha ou de penas atavios de flores”.
Até o ano de 1749, o dinheiro corrente na cidade era simbolizado pelos novelos de algodão ou gêneros da terra. Não existia outro.
O decreto régio de 12 de junho de 1748 estabeleceu o derrame do dinheiro amoedado, tempos depois posto em circulação.
Vem daí o seu curso e uso no Pará.
Uma das festas mais populares e mais concorridas da época era a do Apóstolo São Tomé, instituída pelos jesuítas. Pretexto para folguedos, danças e desordens.
Realizava-se em terreno apropriado, lá para as bandas da antiga Pedreira, no rio Guamá.
O Natal de Jesus servia de motivo para as reuniões familiares, onde eram servidas ceias em iguarias portuguesas, desde vinho ao bacalhau e às castanhas.
Outra festa religiosa, datando dos fins do século XVIII, movimentava todos os anos os paraenses. Era a de Nossa Senhora de Nazaré, cuja ermida fora construída em 1774. Foi D. Francisco de Sousa Coutinho, Governador e Capitão General do Grão-Pará e Rio Negro, que deu organização ao Círio, em 1793.
Aberto o Largo de Nazaré para a feira, que se seguia à solene procissão, Belém enchia-se de romeiros, provindos de todos os recantos, dando à cidade aspecto festivo.
Nas barracas cobertas de palha de palmeiras, eram vendidos os produtos da terra: cacau, baunilha, guaraná, arroz, anil, urucú, utensílios de cerâmica indígena, tabaco, redes, peixe salgado, etc.
A festa do arraial era, pois, um acontecimento na vida belenense. O São João constituía outra tradicional herança portuguesa. Os banhos cheirosos, as sortes, as fogueiras, os mingaus, a canjica, o arroz-doce deram, com o tempo, um sabor regional aos folguedos joaninos. Das bebidas usuais de origem indígena, o açaí e o tacacá chegaram aos nossos dias.
O açaí dá em cacho. É originário de uma palmeira nativa, de tronco fino, abundante em todo o território paraense, principalmente nas ilhas. As amassadeiras, assim chamadas as mulheres que se dedicam à venda do açaí, extraem da polpa da fruta uma bebida deliciosa, de grande consumo entre todas as classes sociais. É de cor arroxeada. Serve-se com farinha e açúcar ou mesmo sem este. Uma bandeirinha vermelha, na porta da quitanda ou de qualquer barraca, indica a venda do açaí.
O tacacá é outra bebida muito apreciada pelos paraenses. Faz-se da mistura do tucupi com a goma da mandioca, e enxerto de jambu e camarão.
Outra usança da era colonial, e que chegou até nós, é o beiju-xica. Diz Baena que essa massa “foi inventada pelas mulheres portuguesas à semelhança dos filhós de massa de trigo”.
É extraída da mandioca branca ralada e socada no pilão. Vai ao forno. Os que escreveram as crônicas desse tempo são unânimes em proclamar a excelência das comidas e do clima, que diziam “apto para a vida, mas inda propício à longevidade”.
E vinham os exemplos. As relações paroquiais onde, em suma, 30 homens e 30 mulheres entre cem tinham alcançado idades que variavam de 90 até mais de 100 anos.
A água, que os habitantes bebiam nessa época, e com que se supriam para as suas necessidades caseiras, era a de poço.
Existia o paul d´água, na antiga estrada desse nome, hoje Avenida de São Jerônimo. O manancial era explorado por particulares.
Depois, a Câmara Municipal tomou a si esse encargo.
A fonte do Domingús, que ficava para as bandas do Tapanã, fornecia excelente água potável de grande consumo na cidade. Quem não podia ir busca-la, comprava-a dos aguadeiros. O mesmo acontecia com a fonte da Pepe.
Até princípios do século XIX, era assim que Belém vivia.
Como um grande burgo, onde os capitães-mores, opulentos e negligentes em sua maior parte, compraziam-se em passear a sua soberbia e a tirar da terra as riquezas, que embarcavam às pressas para a corte”.
Ernesto Cruz
Belém: aspectos geo-sociais do município. 1945, p. 59-62.
 
 
Estrada do Paul d´Água, depois Estrada e Av. São Jerônimo, e hoje é chamada A. Gov. José Malcher,  cruzamento com a Av. Generalíssimo Deodoro. Á esquerda, o antigo palacete do Dr. Augusto Montenegro.
 BELÉM da saudade: a memória de Belém do início do século em cartões postais. 1996
Acervo Biblioteca Domingos Soares Ferreira Penna (MPEG)
 

2 comentários:

  1. Olá, tudo bem?
    adorei o sue post.
    vc saberia me dizer o por quê dessa bandeirinha nas portas de onde vende açai? a origem
    Obrigada

    ResponderExcluir
  2. Essa bandeirinha vermelha existe desde séculos passados nas portas das vendas de açaí. A origem vou pesquisar pra você, ok? Abraços e obrigada por visitar meu Blog.

    ResponderExcluir