quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Lendas e Curiosidades: Mercados & Pajelança.


"Do Ver-o-Peso ao Mercado-de-Ferro é um passo. Um e outro se confundem no turbilhão das invariáveis manhãs de feira. Até as torres esguias, de aspecto oriental, do velho mercado, fazem parte da paisagem do Ver-o-Peso. São o pano de fundo da doca.
Pouco adiante e mais afastado do cais, o turista vai encontrar o Mercado Municipal, ocupando extensa área que lateralmente se delimita com a Travessa Oriental do Mercado e a Travessa Ocidental do Mercado.
Mas o vasto espaço marginal à baía de Guajará onde se enquadram o Ver-o-Peso e aqueles dois entrepostos é todo um mercado: nas calçadas, no leito das ruas, nas pequenas casas de comércio, nos botequins, movimenta-se a multidão num vai-e-vem interessante. Formigueiro matutino. Território do pitoresco. [...].
E a pajelança? Bem, é melhor que o turista entre no Mercado e se detenha a observar gente, coisas... e saia para o ar livre, dando uma volta pela beira do cais, por entre as barracas armadas como se fossem casas em ruas de uma cidadezinha de papelão.[...].

Vidros com banhos cheirosos.
 

Banhos e defumações, embalados em caixinhas, se industrializam um tanto prosaicamente. Ervas, raspas, cipós, raízes, cascas, flores, trevos, são a matéria prima. Os nomes indicam o uso: "Defumação desmancha-tudo", "Defumação desatrapalha", "Banho vai-e-volta", "Banho desempata", ...
Os preparos que entram nessa alquimia cabocla, tão cheirosa e agradável - se encontram dentro ou fora dos mercados. Mas como fazer a coisa certa, temperar esta raiz com aquela erva, por o mínimo ou o máximo desta raspa ou daquele cipó, de acordo com as finalidades da mandinga? É melhor respeitar o segredo desses Cagliostros.
 
Ervas cheirosas
 
 
Contudo, se o turista quiser conhecer alguns dos ingredientes, à venda nos mercados, ei-los: fava-de-baunilha, priprioca, pau-rosa, orisa, macaca-poranga, mão de-onça, alecrim, japana, mucura-caá, pataqui, catinga-de-mulata, chama, trevo-cumarú, patchuli, membeca, verônica, arruda, , cravo-jutaí, casca-preciosa, vindica, casca-de-cedro, canela, hortelã, louro, pau-d´angola, açucena-do-mato, capim-marinho, cumaru, casca-sacaca.,[...]". Leandro Tocantins(1928-2004). Santa Maria de Belém do Grão-Pará. 1963, p. 289-292.
 
 
 
Cascas e Paus que entram nos famosos banhos-de-cheiro.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário