segunda-feira, 15 de agosto de 2016

O bem-te-vi e seu jeito de viver


"[...]. Como feitio moral do bentevi, podemos compara-lo a certos indivíduos falastrões e esparramados.
Mal chega a um lugar, arma logo um alvoroço.
Voa daqui para ali, revoa e volta, pondo em cada fronde um alarido. [..].
São sociais e vivem em pequenos grupos e, entre os da sua malta, reina a melhor cordialidade, mas não querem intimidade com outros pássaros...Quando chega um amigo, é logo recebido com evidente e transbordante alegria, batidelas de asas, empinações de crista e uma permuta de saudações  que parecem não ter fim.
O dia inteiro o grupinho vive junto em correrias e brincadeiras, entremeadas de gritos, mas nas épocas dos amores, as coisas mudam. Cada macho procura a sua companheira, e os solteirões são escorraçados, segundo me parece...". Eurico Santos (1883-1968). Pássaros do Brasil. 1960, p. 102-103.
 
 
Bem-te-vi.
Ilustração de J. Th. Descourtilz (1796-1855)
História natural das aves do Brasil. 1983
Acervo da Biblioteca Domingos Soares Ferreira Penna - Museu Goeldi


Nenhum comentário:

Postar um comentário