sábado, 12 de março de 2016

No negrume da noite


"A luz da lua é forte e clara, as árvores, algumas brilhando ao luar pálido, outras perdidas no negrume da noite sem luzes, assumem formas estranhas e fantásticas e projetam sombras intensamente negras sobre as águas do rio, que cintila como um espelho de prata aos raios frios e brancos da luz. A noite não é tão silenciosa como de hábito, pois os sapos no pântano próximo produzem um alarido como o dos diversos sons de uma fábrica de algodão, zumbindo, berrando como uma ovelha, assobiando, coaxando, apupando, gritando rai! ai!, rugindo, uma perfeita babel de ruídos, que se erguem e caem conforme predomine a voz de uma ou de outra espécie. Há ainda o ribombar do socó-boi ..., como um berro de um touro; ciganas soltam gritos ásperos; corujas piam, bacuris (uma espécie de curiango) bradam em notas agudas, ba-cu-ri, ba-cu-ri; o mandim grunhe sob a água como um porco; e outros peixes pulam; todavia, todos estes sons tornam a sinistra solitude ainda mais impressionante.
Os mosquitos, felizmente, não nos descobriram, e a atmosfera é fresca e agradável". James W. Wells (1841-?). Explorando e viajando três mil milhas através do Brasil: do Rio de Janeiro ao Maranhão. 1995. v. 2, p. 226.


 
 
Socó-Boi.  Á esquerda um jovem da espécie.
Desenho de Antônio Martins. Brasil 500 pássaros. 2000.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário