quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Viajantes: Variedade infinita de flores!


"[...]. Algumas árvores ainda estão despidas de folhas, outras se cobrem de folhagem acinzentada ou amarelada, ao passo que outras, ainda, se colorem de matizes róseos e vermelho brilhante. A cor normal é um verde escuro; todas as tonalidades de verde, contudo, aparecem desde o verde  apagado do alho-porro até o verde vivo da esmeralda.
Enquanto muitas árvores estão cobertas de frutas, muitas outras estão cobertas de flores, e, nesse ponto, também, se manifesta uma variedade infinita. As flores  cor de ouro e de púrpura são as que primeiro atraem a vista; não há falta, contudo, de flores azuis e brancas, róseas e roxas, carmesins e escarlates.
Todas elas carregam de perfume  a atmosfera úmida e pesada e, mais uma vez, a variedade se faz sentir, a variedade de cheiros, desde a fragrância da baunilha e do cipó-cravo até o pau-d´alho, que espalha o cheiro que lhe dá o nome por cem metros em torno". Richard Burton (1821-1890). Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. 2001, p. 359.
 
 
 
Flores brasileiras.
Marianne North (1830-1890).
www.kew.org


Nenhum comentário:

Postar um comentário