quinta-feira, 26 de julho de 2018

Rica vegetação


"[...]. Só depois daquela tarja florística, sempre de porte pouco elevado, que acairela o rio dos dois lados e onde, amiúde, o tabocal forma um pano de fundo, é que a mata da várzea começa gradativamente a alterar-se e enriquecer-se, pontilhada de palmeiras, que aí abundam tanto em número de exemplares como em variedade de espécies, jupatis, miritis e murumurus, açaís, inajás e paxiúbas, marajás, urucuris, bacabas e mumbacas; entremeada de imbaúbas e mungubeiras; ostentando com frequência as largas folhas das Musáceas e Marantáceas até que finalmente, abra, no azul a copa das suas árvores mais altas, cedros e tauaris, paus-mulatos e cumarus, mamoranas e maparajubas, açacuzeiros, andirobas e copaíbas mas entre as quais avultará sempre o imponente pavilhão das sumaumeiras".

Astrocarium murumuru.
C. Fr. von Martius. Historia Naturalis Palmarum - 1823-1850

Nenhum comentário:

Postar um comentário