sábado, 17 de outubro de 2015

Papagaios e periquitos barulhentos


"Há muitas corredeiras pequenas, onde passamos velozmente por pedras pretas polidas e gastas pelas águas, ou por baixios e espraiados de seixos redondos da formação diamantífera. Uma brisa forte sopra correnteza acima e tempera o calor do sol que monta cada vez mais alto no céu, agora azul e sem nuvens. As margens reluzem com a folhagem brilhante e cintilante, as flores rasteiras e a terra vermelha, tão diferente das praias e vegetação inteiramente cobertas de limo do alto do rio. Garças brancas e grandes borboletas peroladas deslizam à superfície da água adiante de nós, papagaios e periquitos palradores e barulhentos, cigarras, gritando e chiando e berrando e assobiando unem-se em concerto ruidoso e desarmônico, suavizado pelo sussurro e burburinho das águas. [...]. James W. Wells (1841-?). Explorando e viajando três mil milhas através do Brasil do Rio de Janeiro ao Maranhão. 1995, v. 1 p. 263-264.
 
 
 
Papagaios - Tanajuba - Periquitos.
Detalhe de lustração de Ernst Lohse (1873-1930).
Álbum de Aves Amazônicas de Emílio A. Goeldi (1859-1917). 1900-1906.


Nenhum comentário:

Postar um comentário