domingo, 8 de abril de 2018

Tanguru-pará


"[...]. Não víamos, atravessando o espaço, a águia altiva ou qualquer outra ave de rapina; não ouvíamos da mata sair o rugido de um tigre ou o grito de um selvagem; na atmosfera azul, pares de garças alvas, com os pés pendidos para baixo, voavam de uma ilha para outra, e as gaivotas, redemoinhando, com os gritos tão conhecidos dos marítimos, pescavam na cerúlea extensão do rio; das abertas clareiras da mata se erguia o coro alegre de uns passarinhos negros de bico escarlate, a que chamam Bicos-de-brasa, aqui conhecidos com o nome de Tanguru-parás, volteando ao redor de alguma lagoinha, que as chuvas da véspera ali tinham deixado". Ignacio Baptista de Moura (1857-1929). De Belém a S. João do Araguaia: Vale do rio Tocantins. 1989. p. 172.



Tanguru-Pará à direita.
Álbum de Aves Amazônicas. -  1900-1906.
Desenho de Ernst Lohse (1873-1930)

Nenhum comentário:

Postar um comentário