quinta-feira, 5 de abril de 2018

O sabiá!


"O sol da tarde derramava maravilhosas luzes e espessas sombras sobre a água e a floresta. Os cimos das árvores abrasavam-se no arrebol do poente; brilhavam os japus com mais fulgor nas suas habitações aéreas, e por toda a parte trauteava o sabiá a melodia de seu saudoso canto. O sabiá! Este é para o Brasil o pássaro cantor da elegia, do amor e da saudade, ele e as palmeiras são o símbolo da Terra de Santa Cruz, da qual diz o poeta inspirado:

Minha terra tem palmeiras
onde canta o sabiá!

O sabiá é uma espécie de melro, que faz ouvir por toda parte melodioso canto; fala ao ouvido e ao coração, conforme o humor deste, quando a melodia penetra no primeiro. [...].
Não tardam, porém, a misturarem-se outras vozes da floresta aos jambos flauteados do pequeno cantor. Muitos anus ou crotófagos saltitavam, gritando de um lado para outro; pica-paus praticavam seus últimos bate-bates nos troncos; as araras atrasadas gritavam aos pares no ar; o macuco, um cripturus,  fez ouvir seu assobio estridente. E, quanto mais escuro ficava, parecia que toda a  floresta queria ficar acordada durante as próximas horas". Robert Avé-Lallemant. In: CASCUDO, Luís da Câmara. Antologia do Folclore brasileiro. 8. ed. , 2002.  v. 1, p. 132-133.


Sabiá em pé de jabuticaba.
 Descourtilz, J. T. Oiseaux brillans du Brésil, 1834.
www.biodiversitylibrary.org







Nenhum comentário:

Postar um comentário