segunda-feira, 21 de agosto de 2017

O passarinho que emudeceu o Uirapuru


"[...]. O uirapuru que cantava possuía na voz qualquer coisa de flauta e violino. Embaixo, no amplo descampo, acumulavam-se centenas de milhares de animais, inclusive alguns anfíbios, e mesmo ictiológicos, vistos no verão duro a se mudarem deste para aquele ponto. Havia a trocal e havia a queixada. Papagaios, periquitos, graúnas, tucanos a se misturarem no arvoredo aos lagartos, aos tatus, aos japiins, às tucandeiras. Largas placas de saúvas e formigas de fogo envolviam pacificamente os mais gulosos inimigos: os tamanduás, sem que estes manifestassem, como de costume, a mais leve hostilidade. [...].
A atmosfera vibrava à irradiação cadenciosa da música ondulante e entorpecente. Alguma coisa de misterioso tal a originalidade, fremia naquelas árias, obra, quem sabe, de um deus autóctone. [...].
Nesse ínterim, ouviu-se uma linda ária para as bandas vizinhas da capoeira, à esquerda do lugar onde estavam os bichos. O canto era tão comunicativo, ao mesmo tempo que belo, a ponto do uirapuru se calar, talvez enciumado, senão vencido. Todos os animais prestavam viva atenção à musica daquela garganta de ouro, singularmente inebriante. Afigurava-se a voz de um apaixonado, reivindicando na ternura eloquente do canto, a volta da sua eleita; seria talvez um apelo à companheira entrevista no sonho duma noite de São João.
- É o caraxué, murmurou o João Cabeludo, quase em surdina, às duas senhoras.
O passarinho que havia feito emudecer o uirapuru abria agora no ar uma aleluia de mágoas e ternuras, esperanças e dores.
O coração dos bichos, sobretudo o feminino, parecia querer parar, tal a melodia embriagante do carachué. [...]". Raimundo Morais (1872-1941). Os Igaraúnas. 1985. p.133-134.


Carachué(Sabiá) - Cutipuruí - Vô-Vô - Peruinha-do-campo.
Ilustração de Ernst Lhose.

Nenhum comentário:

Postar um comentário