terça-feira, 16 de maio de 2017

Segredos e mistérios do Tajá


"Não é apenas pelo seu feitio decorativo que o tajá (Caladium bicolor) é festejado na Amazônia como planta de estimação. Mais do que pela esbelteza das folhas, pela graça e elegância do corte, pela simplicidade geométrica das linhas, ele possui segredos e mistérios que só a alma cabocla entende e aprecia. Enorme é a variedade dessas plantas que formam as vistosas e esmeradas toiças da planície: tajapeba, com a sua raiz chata; o tajá-piranga, de uma coloração vermelha, belo aspecto, perigoso pelo veneno, e cujas raízes eram utilizadas pelos indígenas do Uaupés como o castigo para as mulheres curiosas que se atreviam a espiar as cerimônias maçônicas do Jurupari; o tajá-pinima, o tajá tatuado, cheio de manchas; o tajá grande, o tajá-preto, o tajá-de-sol, o tajá-membeca, o tajá-purú, este a espécie mais sugestiva e preferida pelas virtudes que são atribuídas às raízes de fazer-nos felizes nos amores e afortunados e bem sucedidos na caça e na pesca. [...]". Gastão de Bettencourt. A Amazônia no fabulário e na arte. 1946. p. 149-150.



Caladium bicolor.
Curtis´s Botanical Magazine, 1861.

Nenhum comentário:

Postar um comentário