sábado, 6 de maio de 2017

Palmeira jauari onde cantam os sabiás do poeta


"[...]. A vegetação escassa dessas terras aguacentas tem um verde-claro, lavado. São os dilatados campos de canarana e de muri, de onde se eleva isolada uma ou outra palmeira caraná ou jauari, em cujas ramas cantam nas manhãs alegres os sabiás do poeta; a fraca imbaúba de folhas grandes, recortadas e ásperas, a grossa e rude mongubeira em cujos galhos fabricam seus ninhos, compridos como abóboras, os japiins brancões; o taxi, cujas flores brancas, de que nesta época se cobre a sua copa simétrica, dão-lhe de longe o aspecto de um enorme ramalhete erguido no ar. Raramente, lá em ponto favorecido por não sei que circunstância do terreno, crescem juntas, qual ilha no meio este mar de canarana, algumas árvores pecas, condenadas fatalmente a serem afogadas pela cheia. Nas beiras dos canais que comunicam os lagos  entre si e em toda a extensão do comprido igarapé é onde se reúne alguma vegetação - uma vegetação fraca, sob enganadora aparência do seu brilho - formando como que uma trincheira para impedir a queda das terras roídas pelas águas. [...]". Umas árvores de cerne alvadio, rugoso, de nomes esquisitos: o magro e folhudo socoró, o paricá falso, o uruá, o acará-açu, de casca pintada como o peixe desse nome, o catauari e poucos galhos e a cuiarana, mal comparada à verdadeira e linda cuieira". José Veríssimo (1857-1916). Cenas da vida amazônica. 2011. p. 36-37.



Palmeira jauari  Astrocaryum jauari
 J. Barbosa Rodrigues. Sertum palmarum brasiliensium. 1989.

Nenhum comentário:

Postar um comentário