quinta-feira, 6 de agosto de 2015

A linda flora aquática


"A manhã de 19 de junho encontrou-nos no Canal de Tajapuru, na direção do noroeste. Forma-se aí um rio calmo, quase sem correnteza. Reaparecem muitas miritis e euterpes, e a placidez dos elementos favorece a linda flora aquática. As massas das potederiáceas (murutis) estendem-se muito longe. Entre os milhares de aróideas sem ramos, porém, que formam tronco - a anhinga - floresciam muitos exemplares semelhantes à nossa planta de salão, a cala, com espata branca, espádice amarela e colorido mais avermelhado no fundo da flor. Poucas folhas ornam o topo do pequeno tronco dessa singular aróidea. Por trás delas, vicejam, em muitos lugares, belos maciços de acácias, de folhas peniformes e flores delicadas de finos estames encarnados e brancos, muitas vezes abafadas por bignonias trepadeiras, cuja esplêndida florescência encarnado-clara, onde se mostra, sobrepuja tudo o que pode florir na selva. Robert Avé-Lallemant (1812-1884). No rio Amazonas (1859). 1980, p 64.
 
 
 
Aninga
 F.C.Hoehne. Plantas e substâncias vegetais tóxicas e medicinais. 1939.


Nenhum comentário:

Postar um comentário