sábado, 9 de setembro de 2017

Richard Spruce no meio da floresta


"Podiam-se consumir horas na derrubada de uma única árvore. O gigante que caía arrastava então outras na sua queda, vindo no seu séquito uma como desgrenhada cabeça de epífitas e parasitas. Orquídeas havia em barda; havia também colossais ciclantos com suas folhas bífidas e flabeliformes, imensamente largas. Os cipós que se estendiam de uma árvore a outra, vinham abaixo com as massas que caíam carreando na queda os parasitos como se fossem cordas de sino. Spruce recolhia as várias espécies que engrinaldavam uma única árvore. Havia a salsaparrilha, uma liana importante no comércio do seu tempo; havia a yuruparipina, anzóis do diabo, com largos espinhos agudos que podiam ferir seriamente uma pessoa. Ninhos de térmites, os quais tinham uma cor marrom, térrea, tombavam com as árvores. Choviam-lhe formigas sobre a cabeça. O baque de uma árvore desencadeava um verdadeiro pandemônio na floresta. Os macacos primeiro soltavam guinchos e corriam, depois voltavam para esganiçar. Papagaios verdes e vermelhos soltavam gritos estridentes; tucanos de bico de cores variegadas desciam voando para  investigar a causa de toda aquela algazarra.
De resto a mata jamais ficava perfeitamente silenciosa. As cigarras ziziavam continuadamente enchendo toda a selva com o seu ruído. Logo se lhes vinham juntar as rãs com o seu coaxo tão persistente que Spruce tinha impressão de estar no interior de uma forja. O ar parecia vibrar com o rítmico clangor. O botânico não se queria apartar tão depressa daquela floresta encantada, mas o capitão estava impaciente. Foi com relutância que voltou para o navio. O Três de Junho ia continuar a sulcar as águas do Amazonas". Victor W. von Hagen. A América do Sul os chamava. [19--?.]. 266-267.


Tronco com flores e parasitas.
Ilustração de Margaret Mee.




Nenhum comentário:

Postar um comentário