sábado, 17 de dezembro de 2016

As aves nos rios florestados


"Descer um dos rios florestados brasileiros é uma bela experiência, mas é nos seus braços secundários, remansos, restingas e portos que o observador de aves terá mais sucesso. Um rio não apresenta só aves ribeirinhas, e você deve ficar atento às espécies que cruzam de uma margem para outra, ou seguem o curso do rio para se deslocarem mais facilmente.
Em todas as barrancas altas, as Arirambas (Martins-pescadores) perfuram suas tocas; são também, muito vistas em voo, sempre pelas margens. A Andorinha-de-rio e a Andorinha-buraqueira, são duas espécies comuns, entre outras, que estão sempre voando sobre a água, pegando insetos; a Andorinha-buraqueira faz, como as Arirambas, buracos nas barrancas, onde se aninha.
Os Biguás-pretos aparecem pousados  nas árvores das margens e os Biguás-brancos mostram seus pescoços fora d´água; a Garça-branca-pequena é a única das garças que é vista com facilidade nesse ambiente. Japus e Japiins passam em pequenos bandos, principalmente nas regiões onde são abundantes. Onde há caniços e outras plantas semelhantes nas margens, você verá muitos Anuns-corocas, a qualquer hora do dia. Se você tiver bastante sorte, ainda verá uma Cigana amazônica, na vegetação das margens. [...]. Deodato Souza. Aves do Brasil. 2004, p. 127.
 
 
 
Guaxe - Japiim - Japu
J. Th. Descourtilz. História natural das aves do Brasil. 1983
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário